Archive for Amigos

Quantas vezes…

Laura, Espírito de Porco e Pedro Augusto

O Ócio do Ofício em números:

877 Textos escritos

853 Textos publicados

1.500 acessos únicos/ dia

4.624 comentário publicados

185 comentários que achei melhor não desperdiçar energia

16.670 comentários tipo “spam”

29.500 seguidores

Esses são os meus números em 2 anos e 10 meses de blog, 43 meses, quase 20 textos por mês, praticamente um por dia se considerarmos somente os dias úteis. É muita coisa! Claro que tem muita porcaria e alguns textos que até me arrependo de ter escrito, mas que também não tenho coragem de apagar…fazem parte da minha história. Erros e acertos, mais erros que acertos… infelizmente, mas a vida é assim.

Ainda tenho muito que aprender, sei que não escrevo bem, sei também que muita gente detesta, critica e debocha… mas não me importo, mesmo porque escrevo pra mim, adoro e me faz bem! Adoro ainda mais os comentários e ser reconhecida na rua! Ah gente, quem fala que não gosta está mentido, elogios e agrados fazem qualquer critica virar “café pequeno”! Já dei até autógrafo na rua, pensa bem! hahaha

Pois é, agora fui convidada para escrever um esquete ( um pequeno conto) para o teatro… Já rascunhei alguma coisa, mas nada ainda que passasse pelo crivo do Pedro Augusto, meu único neurônio e co-autor desse blog. Esse trabalha, tadinho, muito!

O bichinho fica desorientado quando eu sento no computador e escrevo como se tivesse recebendo um espírito, praticamente a “Chica Xavier” do mundo cibernético “psicodigitanto” um monte de “m” (por vezes desconexas) e publicando sem ao menos uma leitura prévia. Revisão? Esquece! Fora a mania de usar reticências… e de inventar termos e jargões. O Pedrinho lê , é esforçado e faz de tudo para eu não fazer muita besteira, mas quem manda aqui, para o seu desespero, é o incontrolável espírito de porco obsessivo psicodigitador.

Tá vendo, agora mesmo, foi ele….estávamos falando do que mesmo? Ah, era do teatro. Pois bem, aceitei o convite e claro, como tudo que faço, já empolguei, por mim quero até entrar em cena. Claro que estou com medo, só tem fera no projeto, sou a única amadora!

E se quer mesmo saber, “Moléstia” à parte, e revendo os números, percebo que não foi por acaso que cheguei até aqui, é prazeroso sim, mas dá um trabalho danado!Eu mereço!
Como dizia minha mãe (essa sim escritora de verdade): “Para quem trabalha, não falta trabalho.”

Que venham, portanto, mais desafios! Muitos mais, porque estamos (eu, o esprideporco e Pedro Augusto) só no começo, o melhor ainda está por vir!

Beijos,

Laura Barreto

Vintage é Vantagem!

Gosto de fidelidade, de dormir junto, de andar de mãos dadas, de conversar horas a fio.

Gosto de beijo na boca, de abraços (dos carinhosos e também dos ousados), gosto de fazer planos, de contar com a ajuda, de saber que estaremos lá quando precisarmos um do outro.

Gosto de “estar lá” para quem precisa!

Gosto de gente que se preocupa, que quer  “ser” mais do que ter. Gosto de gente que se compromete, que faz o que é certo porque “é certo” e não por medo da punição.

Gosto de gente que ensina, que ouve, que admite erros e pede desculpas. Gosto de gente que contesta e constrói bons argumentos, gosto de gente que muda para melhor! Gosto de mudar.

Gosto de gente que tem fé, que ama ao próximo , que têm noção do outro, da sua mortalidade e da finitude das coisas. Gosto do desapego.

Gosto de coisas simples, de andar na praia, de tomar cerveja, jogar truco, ouvir música, ler e escrever. Gosto de torresmo, de pipoca, de Coca Cola, de festinha de criança e até de Miojo!

Gosto de amizades duradouras, daquelas que podemos ficar anos sem encontrar , mas que moram no coração.

Gosto de dormir só de camiseta no calor e de pijama quentinho no inverno. Gosto de café na cama, adoro levar café na cama! Ovos, bacon, torradas, geleia e suco de laranja com champanhe! Ah gente, quê que tem?! A vida passa muito rápido…

Gosto de falar bobagem! Ao pé do ouvido então, humm, melhor ainda! Mas acho que elas devem ficar assim, só na cabeça e no ouvido! Lugar de fantasia é no imaginário, ali vale tudo! Já a vida real é real… então, melhor segurar a onda.

Gosto de gente que liga no dia seguinte, de flores, de sair pra jantar, que abram a porta do carro e puxem a cadeira. Gosto que escolham o vinho e paguem a conta! (pelo menos as primeiras, uai!)

Gosto de ser apresentada como “minha namorada”, gosto e espero que tenham orgulho de estar ao meu lado. Gosto de gente que sabe o quanto o tempo anda corrido e difícil e por isso valorizam quando com a gente.

É, sou careta, “old fashion”, antiga, fora de moda…  Eu disse antiga? Fora de moda? Careta? Que nada, sou é “Vintage”, reciclo coisas boas que não devem se perder com o tempo.
Amar não sai de moda nunca!

Amém!

Laura Barreto

P.S: Além de “vintage” assumo meu lago brega, reciclei o Fabio Junior (adoro!) na forma de Fiuk!

Abusando da Regra 3

Acordei estranha, noite mal dormida, sono agitado, ressaqueda… Crianças dormindo, alimentei a Sirigaita ( nossa gata) , tomei um café sem açúcar e voltei pra cama. Mel acabou sua refeição e se aninhou sob as cobertas comigo.

É uma manhã fria e chuvosa, estranha para um verão também mais quente que o normal em Belo Horizonte.

Ligo a tv, só pra ter um barulho, e pego o computador… revejo as conversas da noite anterior tentando, em vão, lembrar algumas partes que simplesmente desapareceram.

Seriam as duas garrafas de espumante ou proteção? Talvez as duas coisas, mas o que importa é que realmente não lembro, que droga!

Então um amigo querido, que  como eu acorda cedo diariamente, me chama no bate-papo. Trocamos duas  ou 3 frases e tomo a primeira sapatada…nada demais, só uma chamada de atenção porque estou insegura com relação a um desafio no trabalho. “Chega Laura, você não teria sido chamada se não fosse capaz! “

Foi só o começo…depois levei mais umas duas, daí devolvi na mesma moeda?  “Que foi? Acordou com a macaca, hein?”

Desculpas pra cá e pra lá, ouvi, dei meus palpites e arrependi logo em seguida, estava sendo muito” entrona”, um péssimo hábito que tenho e preciso melhorar.

A conversa é relativamente simples, trivial, mas mudou meu dia, aliás mudou muita coisa!

Eu: Desculpe intrometer!!!! Não está aqui mais quem falou.Desculpe…

 

Amigo: Laura, se não quisesse “intromissão” não estaria falando isso com vc agora.  Putz… Tô direto, heim???

 

Eu: Tá, até demais…

 

Amigo: Desculpa…é só hoje.

 

Eu: Sem problema, é bom que vc desconta em mim e não bate na namorada! kkkk

 

Amigo: Nunca, e não tenho vc como “regra 3” (putz olha a expressão)

 

Eu:regra 3?

 

Amigo: Gosto de vc e respeito muito sua inteligencia.

Nunca ouviu regra 3?

E olha que isso não é pra qualquer um.

 

Eu: obrigada querido! A recíproca é mais que verdadeira

 

Amigo: Bem, chega. Muita realidade em manha de domingo

 

Eu: Vero, vou escrever…

 

Curiosa e sem minha resposta, fechei o bate-papo, fui ouvir e pesquisar o que vem a ser regra 3 e cá estou eu. Descobri que se trata  de uma regra no futebol que permite a substituição de jogadores no decorrer da partida.

Na música, Toquinho e Vinícius fazem alusão a esta regra, comparando o abuso do rapaz em substituir sua companheira pelas suas “reservas” no jogo do amor.

O que o amigo querido queria dizer é que não estava me usando, não sou substituta, tenho meu lugar de amiga garantido. Adorei, me fez muito bem!

Definitivamente não sou Regra 3, não tenho o perfil, não nasci pra “reserva” e, se fui desafiada no trabalho é porque dou conta… Preciso agora levar isso para o campo afetivo (espiritual também )e entender de uma vez por todas que posso ser  realmente importante pra alguém.

Aceitar,  parar de esquecer  sem querer por querer ( se é que me entende)e lembrar de ser feliz! Então está decidido, eu dou conta de ser feliz!

Beijos,

Laura Barreto

(escancaradamente apaixonada)

Feliz Todos os Dias!

Foto: Mais um ano…Precisamos de convenções e convicções para viver…características de seres pensantes  que questionam mas que nunca terão  todas as respostas.   As convenções  e convicções confortam e controlam, não é assim?Nesse contexto, depositamos no fim do ano (uma convenção) a esperança de mudanças, de  melhorias e realizações.Então escrevemos cartinhas, fazemos promessas, pulamos ondas, mandamos oferenda para Iemanjá, rezamos  e concretizamos de uma forma ou de outra nossos desejos.Aí, na noite do dia 31 de dezembro bebemos, brindamos, vestimos branco, beijamos  e abraçamos as pessoas queridas com votos sinceros de um feliz ano novo.Porém, alheia a isso tudo e à nossa vontade,  a natureza segue seu rumo, o sol nasce e mais um dia acontece. Tudo exatamente igual e diferente como cada dia inexoravelmente  é.Não podemos mudar ou controlar o tempo, as pessoas e nem tampouco a natureza.  A única coisa sobre a qual temos controle são as nossas escolhas.Por isso, façamos sim as nossas listas, criemos metas , façamos promessas, todas para o bem, claro, mas, mais do que isso, espero que nos lembremos  que o ano novo acontece todos os dias.(continua: http://www.ociodooficio.com.br/pelamordedeus/contribuicoes/feliz-todos-os-dias/ )“Mantenha seus pensamentos positivos, porque seus pensamentos tornam-se suas palavras. Mantenha suas palavras positivas, porque suas palavras tornam-se suas atitudes. Mantenha suas atitudes positivas, porque suas atitudes tornam-se seus hábitos. Mantenha seus hábitos positivos, porque seus hábitos tornam-se seus valores. Mantenha seus valores positivos, porque seus valores… Tornam-se seu destino.”

Mahatma Gandhi

Mais um ano…

Precisamos de convenções e convicções para viver…características de seres pensantes  que questionam mas que nunca terão  todas as respostas.   As convenções  e convicções confortam e controlam, não é assim?

Nesse contexto, depositamos no fim do ano (uma convenção) a esperança de mudanças, de  melhorias e realizações.

Então escrevemos cartinhas, fazemos promessas, pulamos ondas, mandamos oferenda para Iemanjá, rezamos  e concretizamos de uma forma ou de outra nossos desejos.

Aí, na noite do dia 31 de dezembro bebemos, brindamos, vestimos branco, beijamos  e abraçamos as pessoas queridas com votos sinceros de um feliz ano novo.

Porém, alheia a isso tudo e à nossa vontade,  a natureza segue seu rumo, o sol nasce e mais um dia acontece. Tudo exatamente igual e diferente como cada dia inexoravelmente  é.
Não podemos mudar ou controlar o tempo, as pessoas e nem tampouco a natureza.

A única coisa sobre a qual temos controle são as nossas escolhas.

Por isso, façamos sim as nossas listas, criemos metas , façamos promessas, todas para o bem, claro, mas, mais do que isso, espero que nos lembremos  que o ano novo acontece todos os dias.

Desejo pois  que  acertemos em nossas escolhas, e que  pequenas ou grandiosas, que sejam tratadas com igual importância, pois esse conjunto de escolhas  tornam-se nossos hábitos, hábitos tornam-se valores e esses, como disse Gandhi, “tornam-se o nosso destino”.

Desejo também que indiferente de erros ou acertos, que sigamos em paz com as nossas escolhas e, quando preciso for, que sejamos nós os agentes de mudanças. Que busquemos o equilíbrio, que entendamos que é impossível ser feliz o tempo todo, mas que há tempo para sermos.

Por último, desejo que aceitemos nossas fraquezas e busquemos melhorar, que entendamos ( com muita paz de espírto) que nem todos os dias serão bons, mas sempre há de haver algo pelo que vale a pena ir em frente, mesmo em tempos ruins!

Portanto, nesse novo ano, espero que nossos desejos tornem-se escolhas diárias e que todas, todinhas, tenham com fim a felicidade!

Feliz escolhas para todos nós!

Amém!

Laura Barreto