Corredores de Rua

12 de Abril – Há exatamente 2 anos,corri minha primeira maratona,em Rotterdam,terminei com o fêmur fraturado e, na volta da viagem, fui demitida…
Foi aí,quando não tinha mais nada a perder, que resolvi mudar e, contra tudo e todos, tomar as rédeas da minha vida e ir ser feliz. Depois disso publiquei meu primeiro livro (esgotado),conduzi a tocha olímpica e fui corre na China (14o lugar) e no Atacama (2o lugar).
Hoje aos 47 anos,bilingue,pós graduada e com passagem por 2 multinacionais,sou hotess no @moccacoffeebrasil ,resolvi correr 10 entre as mais difíceis maratonas do mundo, ganho pouco mais que um salário mínimo, tive que vender o carro,perdi amigas, ganhei outros,faço meus bicos e nunca, nunca mesmo, fui tão feliz! Sim,a corrida mudou a minha vida, pra valer!
Fui então convidada pra ser madrinha de parte de um sonho maior de ajudar as pessoas que vivem nas ruas a também mudarem as suas vidas batizado de “Trem das Sete“, que acontece em um albergue que acolhe cerca de 400 pessoas em situaçao de rua.
A minha missão? Apresentar-lhes a corrida e ajudar aqueles que queiran experimenta-la. Vou precisar além de tênis em boas condiçoes de uso pra galera, de toda a ajuda possível, educadores físicos,nutricionistas,doaçoes,alimentos e roupas de treino e tudo mais necessário para criarmos a primeira equipe de corredores de rua, a “Corredores de Rua“.
Quer ajudar? Vem comigo! Eu? Terça feira vou lá conhecer e falar pra galera, cheia de felicidade,orgulho e gratidão! Obrigada. #voucorrendo#corredoresdasruas

Faria Tudo Novamente

Outro dia, conversando com amigas, falei que se tudo que eu passei e venho passando (que não é nada demais pois tenho saúde) foi pra me fazer quem sou hoje, eu atravessaria tudo novamente…
Agora,em oração, percebo se tratar de algo muito maior,dessas coisas que trazem alento a alma e calma ao coração.
Sim, porque se e foi para conhecer as pessoas que conheci e ter as filhas que tenho,faria tudo novamente , quantas vezes fosse preciso, e rindo! Agora, se foi pra finalmente encontrar a minha fé e entregar minha vida nas mãos de Deus, não teria derramado uma única lágrima, só agradecido.
Alguns chamam isso de maturidade,muitos simplesmente talvez nunca entendam e, claro, há os que riem e debocham… não tem problema, cada um tem o seu tempo, mas eu, eu chamo de amor!
Amém.
Laura Barreto

Aqui e Agora

Hoje: Arrume a mesa lindamente, com a melhor louça, tire as taças de cristal da caixa,coloque aquela música que você ama, mesmo que seja na cozinha, enquanto limpa a pia e, se não der tempo, deixe a pia para depois, ninguém vai morrer por isso.
Se der vontade, coma a sobremesa antes do almoço e o mesmo vale para uma taça de vinho ou duas. Use o que tiver vontade, o sapato preferido, aquela roupa que veste super bem e que você guarda para uma ocasião especial…
Esse dia é hoje.
Procure entender,coloque-se no lugar do outro, pratique o desapego e a paciência. Sorria, converse, perdoe e, caso necessario, afaste-se sem culpas ou medos.
Corte o cabelo, pinte da cor que quiser ou pare de pintar se essa é a sua vontade.
Declare-se! Diga que ama, esqueça velhos jargões do tipo “tem que se fazer de difícil” ou “não demonstre interesse”…
O que tiver que ser, será!
Economize dinheiro, para nao passar aperto, mas ajude quem precisa se assim puder, sim,voltará pra você de alguma forma.
Viaje, tome banho de cachoeira, pise na grama, respire fundo, corra! Nao tenha vergonha de você mesmo(a), nunca, mas assuma seus erros e falhas e tente corrigi-los.
Sorria para estranhos, estenda a mão.
Planeje, realize sonhos, trabalhe com o que lhe dá prazer, mesmo que não pague o que você acha que precisa.
Ria dos seus problemas,se nao der, se estiver pesado demais e a vontade de chorar tomar conts,chore, lembre-se: Ninguem é feliz o tempo todo, cada um está enfrentando a sua própria batalha e nem sempre será fácil, a bem da verdade, amaioria das vezes será difícil…e a dor de cada um é de cada um. Por fim, e só pra lembrar, viva! Porque a única coisa que realmente temos temos é o aqui e o agora…o tempo,meus caros, como disse Cazuza, não para.
Portanto, busque o equilibrio, claro que ninguém deve sair pirando por aí, mas, definitivamente,nao economize amor e nem o amor de alguém; ao contrário do que acreditam alguns, não é possivel estocar vento… a vida é um sopro e todos, cada um de nós, merece ser feliz.
Bom dia.
Pedro Augusto (em manhã inspirada e feliz)#voucorrendo

Perdas e Ganhos

Tava aqui pensando…
Eu não fumo, bebo pouco, (mas quando bebo, bebo muito, se é que me entende), não jogo, não uso drogas, não sou daquelas que precisam comprar e vivem no shopping, (aliás nem sei o que é “comprar pra mim” mais), não tenho namorado, raramente saio sem ser para trabalhar ou correr, não sou fanática com política ou religião (apesar de detestar o PT e fazer meu estudo bíblico, não torro a paciência de ninguém com isso), aos 46 anos, vivendo de “bicos” desde perdi meu último emprego em maio de 2015, quase dois anos e com duas filhas lindas e queridas mas adolescentes…fase onde “coisas” contam muito.
Trabalho desde os 18, já tive salários de dois dígitos, conheci e circulei no meio de empresários , políticos e até da realeza (de verdade), assim como também já fui supervisora de telemarketing trabalhando todos os finais de semana e servi mesas em festas de casamento.
Tive vida “Doriana”, casa de 5 quartos, 3 suítes, duas labradoras (que saudade, das cachorras, digo). Perdi tudo na mesma época, fui trocada, humilhada, abandonada, rejeitada inclusive na casa do pai, dormi em um colchão no chão e fiquei sem luz algumas vezes. Perdi minha mãe e minha filha foi submetida a uma cirurgia de emergência, tudo no espaço de 7 dias. Perdi a missa da minha mãe pq estava no hospital com a filha…
Me reencontrei escrevendo, publiquei um livro, subi nos palcos pra contar isso tudo, acredite se quiser, com humor! Adotei a causa do hospital da Baleia (quero ser útil nessa vida). Me apaixonei pela corrida, perdi amigas de anos que não entendem o meu “novo eu” e não suportam minha exposição, fiz novos amigos, descobri que tem gente muito boa nesse mundo, que procura não julgar e se coloca no lugar do outro, de verdade. Eu mesma tenho tentado praticar isso, até com quem me detesta.
Perdoei meu pai, pessoalmente, e acreditem, não foi fácil, mas quero o bem dele, e isso é amor.
No meio disso tudo, conduzi a tocha olímpica que doei, corri duas maratonas, dentre as mais difíceis do mundo , fiquei super bem nas duas…não recebi os parabéns de quase ninguém de quem eu esperava. Parente próximos nem “curtir a foto” não curtiram…vai entender. Aliás, temos que entender! “Cada um é cada um.”
Meus vícios? Correr, escrever, pensar (as vezes demais), ajudar e redes sociais…
Tente me entender, não quero ser rude, mas isso aqui é o que eu tenho, não me peça pra sair…já perdi coisa demais.

LB

(para minha mãe, essa sim, uma perda irreparável, tentando aprender a ser igual a você)

Pedras Preciosas no Caminho

Pedra preciosa

Lá foi ela para o seu treino longo, 24km, Kamelback, duas paçocas, R$5,00 pra uma eventual coca-cola ou Powerade , algumas amolações e muita coisa na cabeça.
Quando é assim gosto de ir sem rumo, e hoje não foi diferente, mas uma parada no Museu Abílio Barreto (meu bisavô) já se tornou de lei.
Então, fazendo minhas selfies e comendo uma das “Paçoquitas” vi José sentado em um banco no fundo do casarão com um saco desses de ráfia grande do lado. Olhos perdidos, fixos no chão, imóvel, tão estático que parecia um daqueles artistas de rua que imitam estátuas.
Passei por ele algumas vezes, queria falar algo, mas não sabia o que…
Tirei os 5 reais do bolso a outra paçoca e dei pra ele:
-“Desculpa moço, é tudo o que eu tenho…mas não fica triste assim não.” – falei.
Como se esperasse somente alguém que quisesse ouvi -lo (e às vezes é mesmo tudo o que a gente quer), me contou que acha muita coisa na rua, mas que estava triste porque roubaram as pedras preciosas que ele achou.
Imaginando ser delírio, e nunca saberemos se é ou não , mesmo assim sentei-me ao seu lado pra escutar. José me pediu desculpas porque estava sem banho, falei que não tinha problema , que eu tambem estava fedendo e ele riu, somente 4 dentes na boca.
Me contou uma história longa, cheia de detalhes, das pedras, do moço que prometeu dinheiro e do carrinho onde ele dormia.
Falei pra ele pegar o dinheiro e comer uma quentinha, perguntei se tinha fé em Deus, ele disse que sim, “então pronto, vai ficar tudo bem.” – emendei e ele riu novamente.
Foi então que tirou um dos pés do tênis imundo, abriu um pedacinho de papel e me mostrou essa pedra, segundo ele, a uma das que achou e que não roubaram.
Eu não entendo nada de pedras, mas ele não queria me vender, não era golpe ou algo assim, falei entao pra ele guardar no mesmo lugar é procurar alguém do bem que pudesse ajudá-lo, um padre ou um pastor por exemplo.
Pedi para tirarmos uma foto juntos e outra da pedra, José adorou e falou que não estava muito bonito, eu disse que a gente tem que ser bonito é por dentro e me despedi.
A gente encontra pedras preciosas onde menos imagina…
Bom sábado! 24km para conta. #voucorrendo #ociodooficio2 #10em5anos